Blog Investimento Futebol

Wenger deixará Arsenal ao fim da temporada

Depois de vinte e dois anos comandando o Arsenal, o treinador Arsène Wenger anunciou que deixará o clube no final desta temporada. O técnico francês começou sua carreira de treinador no Nancy, passando pelo Monaco e Nagoya Grampus para então chegar ao Arsenal.

Títulos

Conquistou o Campeonato Inglês por três vezes, a Copa da Inglaterra e também a Super Copa da Inglaterra por sete vezes. Antes de Wenger, o Arsenal tinha conquistado apenas duas vezes o Campeonato Inglês nos vinte e seis anos anteriores, mas após assumir o comando da equipe em 1996, conquistou o Campeonato Inglês nas temporadas de 1997/98, 2001/02 e também em 2003/04, mostrando então sua competência e caindo nas graças da torcida.

Faltou brilho

Apesar destes títulos, o Arsenal já não brilhava a muitas temporadas, mostrando um futebol bem distante dos tempos em que o elenco contava com nomes como Thierry Henry. Portanto por muitas vezes o clube se viu ultrapassado pelos seus rivais, ficando atrás de vários clubes no Campeonato Inglês e ficando de fora da Liga dos Campeões em algumas temporadas. Quando conquistava a classificação para a competição europeia, era totalmente dominado diante de grandes clubes do futebol mundial, não mostrando chances de título. Diante de todo este contexto e também dos sessenta e oito anos de Arsène Wenger, o treinador optou por deixar o clube. Porém deve ficar claro que o Arsenal não voltou a brilhar muito pelo fato do clube não ter o mesmo poder financeiro que os seus rivais, desta forma por muitas vezes ficou difícil lutar com Manchester United, Manchester City, Chelsea e outros, que possuem um poder bem superior.

Arsène Wenger vem dando seus últimos discursos como técnico do Arsenal, mas sempre mostrando muito carinho e respeito:

“Nunca deixarei completamente este clube. Estarei sempre ligado ao Arsenal. Não se dá vinte e dois anos da vida assim. Dei os melhores anos da minha vida a este clube. Cheguei com quarenta e seis anos e trabalhei sete dias por semana. Não foram seis ou seis e meio. Foram sete, durante vinte e dois anos. Não se pode simplesmente ir embora e dizer obrigado e adeus como se nada fosse. É impossível. Sei que tenho que enfrentar esse desafio, mas já tive outras dificuldades na vida, espero ultrapassar esta também”.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *