Blog Investimento Futebol

PSG x Borussia Dortmund: franceses precisam arriscar para passar de fase

Neymar é uma das armas para o PSG tentar a virada no confronto (Crédito: Getty Images)

Paris Saint-Germain e Borussia Dortmund decidem uma das vagas na quartas de final da Liga dos Campeões nesta quarta-feira, no Parc des Princes, em Paris, após uma vitória dos alemães por 2 a 1 no jogo de ida, há três semanas. Em desvantagem no placar, com desfalques importantes e vindo de um desempenho inferior ao do adversário na primeira partida, o PSG convive com toda a pressão de ter que arriscar e mudar seu jogo para tentar superar um organizado e mortal time do Dortmund.

O gol fora de casa marcado por Neymar no primeiro jogo significa que uma vitória simples por 1 a 0 basta para o PSG, mas é bem difícil imaginar um cenário em que o Borussia Dortmund não marque nenhum gol sequer. Na Champions League, o time alemão tem média de 1,67 gol por jogo fora de casa, e as circunstâncias apontam para uma boa quantidade de chances de gol para o Dortmund – além de o PSG precisar se lançar à frente para buscar a vitória, os visitantes atuarão de sua forma preferida, compactos na defesa e mortais no contra-ataque, contra um time que muitas vezes peca na transição defensiva.

Some-se a isso a grande fase de Erling Haaland e fica difícil não apostar em pelo menos um gol do Borussia. O prodígio norueguês fez os dois gols do time no jogo de ida, e na Bundesliga soma nove gols em oito jogos. Aliando potência física, arranque e finalização letal, Haaland tem um estilo que deve se encaixar perfeitamente no que o PSG deve proporcionar, com linhas adiantadas e espaço nas costas da defesa.

Além disso, o PSG tem desfalques defensivos importantes. O capitão Thiago Silva, que travou grande duelo com Haaland no primeiro jogo, é dúvida por problemas físicos. Mesmo se ele jogar, o time não terá o ala direito Thomas Meunier e o volante Marco Verratti, suspensos. Outro fora por lesão é o meio-campista Ander Herrera. Todos esses problemas devem fazer o técnico Thomas Tuchel abandonar o sistema de três zagueiros usado na primeira partida e apostar em um 4-3-3 mais tradicional, com Marquinhos possivelmente no meio-campo, e Thilo Kehrer, um lateral muito menos ofensivo que Meunier, na direita.

Se podemos esperar pelo menos um gol do Borussia, também é fato que o ataque do PSG não pode ser menosprezado. Kylian Mbappé deve novamente atuar centralizado, mas com muita liberdade para buscar jogo e cair pelos lados, e a joia francesa está em fase espetacular, com cinco gols nos últimos dois jogos pelo Francês e um retrospecto de cinco gols e quatro assistências na Champions League. Ainda que o Borussia provavelmente busque jogar compacto e tirar a profundidade que Mbappé goste de atacar, o momento do atacante é altamente positivo e ele pode voltar a fazer a diferença.

Além disso, o PSG marca a grande maioria de seus gols na Champions League nos últimos 15 minutos do jogo (38,9%), mesmo período em que o Dortmund é mais vulnerável na competição (40% dos gols sofridos após os 30 do segundo tempo). Aliás, o time alemão tende a se desconcentrar na segunda etapa das partidas, e sua organização defensiva tende a apresentar buracos (80% dos gols sofridos na Champions foram no segundo tempo). Esse cenário, aliás, foi exatamente o que aconteceu no jogo de ida.

Sendo assim, podemos esperar um grande número de oportunidades de gol, com o PSG indo para cima no começo e encontrando uma forte resistência defensiva do Dortmund, que provavelmente levará muito perigo nos contra-ataques. Com o Paris provavelmente crescendo na segunda etapa, a grande questão é se o time francês conseguirá converter mais de um gol, para não morrer na praia com um empate por 1 a 1. A chance de prorrogação nessa partida, aliás, é alta, e fica difícil apontar um favorito. Pela vantagem do primeiro jogo e pela provável disposição da batalha tática em campo, porém, o Dortmund é leve favorito a avançar.

Falando de destaques individuais, o PSG, além do já citado Mbappé, tem um claro candidato a protagonista em Neymar. O brasileiro tem dois gols e duas assistências na Liga dos Campeões em apenas três jogos, mas sofreu muito com a perseguição de Lukasz Piszczek no primeiro jogo (o polonês, aliás, provavelmente pode tomar cartão amarelo em algum momento da partida). Já Ángel Di María, que deve completar o trio de ataque, soma três assistências na Champions e incríveis 14 assistências no Francês.

Do lado do Dortmund, além de Haaland, vale a atenção em Jadon Sancho (dois gols e duas assistências na Champions) e no agressivo ala direito Achraf Hakimi (quatro gols), ambos jogadores de muita potência física e qualidade técnica. O time alemão deve vir sem surpresas, novamente armado em um 5-4-1/3-4-3, com muita fisicalidade e velocidade em todos os setores do campo.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *