Blog Investimento Futebol

Grêmio x Inter: clássico para sacudir a Libertadores e testar trabalhos antagônicos

Diego Souza marcou o gol do único Grenal da temporada até aqui (Crédito:
Lucas Uebel/Gremio FBPA)

O clássico Gre-Nal nesta quinta-feira, pela fase de grupos da Libertadores, deve ser interessantíssimo não só por colocar uma das mais acaloradas rivalidades do país em campo na principal competição da América do Sul. O jogo também servirá como um teste para os atuais estágios dos trabalhos de Renato Gaúcho e Eduardo Coudet, antagônicos tanto no modelo de jogo quanto na longevidade de cada um em seu respectivo clube. Além disso, ambos os times vivem bom momento e estrearam vencendo e convencendo, com a confiança em alta.

O Grêmio tem Renato no comando desde setembro de 2016 e está com um modelo de jogo bastante consolidado, calcado em posse de bola paciente no meio-campo, movimentação ofensiva e aproximação, e encaixes individuais na marcação. Uma novidade em 2020, porém, é a utilização de um meio-campo sem um meia de ligação mais clássico, nos moldes de Luan, Douglas e Jean Pyerre, por exemplo. Assim como na estreia na Libertadores, o Grêmio deve jogar o Gre-Nal com três volantes: Lucas Silva na base, Maicon e Matheus Henrique mais soltos.

Essa nova disposição da equipe em campo possibilita que os dois meio-campistas mais avançados, principalmente Matheus, cheguem mais à frente e participem das finalizações das jogadas – o jovem volante, aliás, fez um dos gols contra o América de Cali na semana passada. Mas será interessante ver como esse tripé central, que tem na manutenção da posse de bola sua principal característica, vai lidar com a pressão incessante que já é marca registrada do Inter de Eduardo Coudet.

O técnico argentino assumiu apenas nesta temporada, mas o Colorado também já tem uma identidade clara em seu modelo de jogo: pressão na bola, intensidade o tempo todo, imposição física e ataques rápidos, definindo logo as jogadas, preferencialmente recuperando a bola perto do gol rival. Dada a fisicalidade do jogo do Inter e as tensões naturais de um Gre-Nal, não é improvável que haja pelo menos uma expulsão no jogo, aliás.

É importante notar que nenhum dos times tem feito tantos gols como gostaria. Apesar de a amostragem em 2020 ser pequena e de baixa qualidade, já que muitos jogos são contra times fracos do Gaúcho e com equipes reservas ou mistas, até aqui os times têm marcado menos de dois gols por jogo, e tomado menos de um por jogo. Sendo assim, podemos esperar um clássico com poucas chances claras de gol na Arena do Grêmio, mais travado do que jogado. Pelo fator casa e pelo modelo mais consolidado, o Grêmio pode ser apontado como leve favorito, mas há boa chance de o jogo físico do Inter desestabilizar a troca de passes e o estilo mais paciente do rival.

Falando de destaques individuais, o Grêmio tem Diego Souza, com quatro gols na temporada e bem adaptado à função de pivô, e Everton Cebolinha, com três gols no ano e com cada vez mais liberdade para deixar a ponta esquerda e ser a peça mais criativa do ataque. Do outro lado, o Inter conta com Paolo Guerrero, quatro gols no ano e ponto central do ataque colorado, e Edenilson, dois gols, aparentemente a peça que faltava para exercer a função central do meio-campo de Coudet, combinando técnica, inteligência e jogo físico em boa medida.

Compartilhe

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *